26 junho 2008

Traiçoeiro e serelepe

Alguma dúvida que o favorito para o Gre-Nal é o Grêmio? Atuará em casa, está numa fase excelente, todo mundo está jogando uma bola “redondinha” e, na história do Brasileirão, é superior ao Inter nos confrontos regionais.

Alguma dúvida que o favorito para o Gre-Nal é o Inter? Na história dos clássicos supera o Grêmio em 19 partidas, possui melhor retrospecto jogando na casa do adversário e geralmente nesse tipo de jogo aquele que está em má fase sempre aproveita para reagir.

Alguma dúvida que o Gre-Nal acabará empatado? Seguidamente quando um confronto é muito esperado a partida acaba sendo chata, fraca e fria, acabando num pobre zero a zero, talvez em 1 a 1 se estivermos de sorte.

Agora falando (ou escrevendo) sério, incrivelmente ainda encontramos quem arrisque dizer que esse ou aquele vencerá o jogo. Neste exemplo estou excluindo os fanáticos, claro. Gre-Nal é um jogo sem lógica e tudo, literalmente tudo mesmo, pode acontecer.

Peguemos dois exemplos. Lembram do primeiro clássico do Brasileirão passado? Na quarta-feira o Grêmio perdia a Libertadores para o Boca dentro de casa e, no domingo, ainda com o baque da derrota, vencia o Inter dentro do Beira-Rio por 2 a 0, fora o baile.

Outro exemplo, este um pouco mais antigo. O Grêmio era o campeão brasileiro de 96 e, no ano seguinte, acabara de ganhar a Copa do Brasil. No clássico do Brasileirão, dentro do Olímpico, o Inter venceu o histórico “jogo dos 5 a 2”, excluindo-se, também, o baile.

O clássico já consagrou aquele que estava em baixa, ao mesmo tempo em que deu vida àquele que “respirava por aparelhos”. Traiçoeiro, ele sempre nos engana. Serelepe, nos promove seguidas surpresas. Por isso, paremos com esse negócio de que em Gre-Nal existe favorito.

2 comentários:

Alê disse...

E eu levei sorte ao Inter em 2006... 1 a 0, gol do Iarley, e no Olímpico !

Alma Tricolor disse...

pra mim isso vale pra qualquer clássico Bariviera....